Os Prejuízos que os Pombos Causam aos Condomínios

Para os síndicos que enfrentam no condomínio a infestação desse bicho, aqui vai uma observação: evite sua proliferação usando formas de afugentá-lo, pois assim como o urubu, não é permitido matar esse tipo de ave. A alimentação farta e as facilidades de se abrigarem fazem com que os pombos se multipliquem sensivelmente em prédios. Escolhem as partes mais altas, ficando normalmente entre o telhado e a laje, ali seus ninhos são feitos e aos poucos estão por toda a parte do prédio. Além do perigo da transmissão de doenças, a sujeira que se forma nos locais em que se abrigam – como no forro, onde são encontrados detritos diversos, gravetos, capins, que os mesmos levam para fazer seu ninho provoca enormes danos às tubulações, oxidando estruturas metálicas e deixando a pintura manchada. Normalmente, os pombos procuram prédios que têm jardineiras, sacadas, e a forma de afugentá-los nesse caso é a utilização de um gel repelente. O produto não provoca a morte, mas dificulta o seu pouso, grudando em suas patas, penas e o pombo fica desorientado e não volta mais ao local. O interessante é que esse pombo comunica-se com os demais de seu grupo e todos não vão mais àquele local.

Existem outras formas de repeli-los, muda de prédio para prédio, há situações em que não se utiliza apenas o gel – quando a quantidade é muito grande eles pousam juntos e não são atingidos pelo produto, e nesse caso outros produtos e métodos são aplicados, como em abertura de beiral (entre laje e telhado) quando se usa redinhas – coloca-se esse material em toda a volta de forma que impeça a entrada dos mesmos. Os beirais são os locais preferidos, pois a ave constrói seu ninho e reproduzem rapidamente. As maneiras de afugentá-los não param aí, houve caso de edifícios em que foi necessário utilizar, além de gel, redinha, também espículas de aço – lanças que se colocam acerca de 5cm do beiral. Prédios nessas condições são difíceis controlar e acabar com a infestação. O pombo por estar na memória das pessoas como um ser inofensivo dificulta o combate à infestação nos prédios, tanto que dificilmente um condômino não deixa de alimentar pombos. Portanto, o trabalho de afugentação depende de todos, além do trabalho de uma empresa especializada.

Quando se executa o trabalho de retirada de ninhos e limpeza do local, principalmente na limpeza das fezes, deve-se usar máscara, capacete, óculos de segurança, porque nesse momento a aspiração desses detritos pode levar a contrair doenças. A localização em que os pombos se abrigam constituem em outro grande empecilho para a solução do problema, pois o topo do edifício é de difícil acesso, precisa-se de escadas de no mínimo 10 metros de altura, ou alugar andaimes, transitar por locais perigosos, dificultando o combate.

É importante ressaltar aos síndicos que esse trabalho envolve todo o condomínio, é necessário a colaboração de todos. Envie circulares, coloque avisos nos murais para que os moradores não dêem alimentos aos pombos. Não deixe no forro caixa de papelão, sobras de materiais, como azulejo, fios, canos que propiciem a realização de ninhos. De nada adianta colocar gel, redinha, espícula se os condôminos alimentarem as aves. Para o sucesso do trabalho é indispensável uma ação conjunta. O seu edifício pode não se enquadrar nas situações acima descritas, entretanto se há pombos no condomínio, mesmo em número reduzido, combata-os, evite a proliferação para que no futuro um simples pombinho não torne motivo de dissabores e dores de cabeça.

Fonte: Revista Condomínio – 27/09/1999

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


*

11 + seis =