Insetos

Os insetos são o grupo de animais mais diversificado existente na Terra. Embora não haja um consenso entre os entomologistas, estima-se que existam de 5 a 10 milhões de espécies diferentes, sendo que quase 1 milhão destas espécies já foram catalogadas. Os mais conhecidos são: moscas, mosquito, pernilongo, mosquito-prego, muriçoca, mariposas, abelhas, vespas, formigas e etc.

Muitos insetos são considerados daninhos porque transmitem doenças (mosquitos, moscas), danificam construções (térmitas) ou destróem colheitas (gafanhotos, gorgulhos) e muitos entomologistas econômistas ou agrônomos se preocupam com várias formas de lutar contra eles, por vezes usando insecticidas mas, cada vez mais, investigando métodos de biocontrole.

Mosquitos

Algumas espécies de mosquitos destacam-se pela importância em Saúde Pública, transmitindo doenças como: a febre amarela, dengue, malária, alguns tipos de encefalites, filariose, e sendo consideradas também, indicadoras da decadência ambiental pela capacidade de proliferação em contenções líquidas provenientes da precariedade de condições básicas de saneamento.

Os mosquitos alimentam-se de seiva de plantas. Somente as fêmeas picam, por necessitar de sangue para a maturação de seus ovos. Por esta razão, os mosquitos são vistos como grandes vilões da natureza, em conseqüência do grande número de doenças transmitidas direta ou indiretamente ao homem.

O pernilongo comum (Culex quinquefasciatus) representa uma destas espécies. São mosquitos com hábitos crepusculares ou noturnos, incomodando o sono, perturbando ou mesmo estressando pessoas em seus locais de trabalho ou em momentos de lazer. Esta espécie de mosquito tem grande importância social, pois interfere diretamente na produtividade, podendo acarretar, inclusive acidentes de trabalho.

Sua presença na área urbana é motivada pelas retenções de água poluída em valas, córregos, rios, rede de esgoto e do sistema de drenagem pluvial. O Aedes aegypti e o Aedes albopictus são as espécies de mosquitos diurnas com expressiva importância médica. Sua presença no meio urbano é incentivada pelo descompromisso humano em manter no ambiente, uma grande e variada disponibilidade de pequenos recipientes artificiais com água limpa retida, que permitem o desenvolvimento das formas jovens.

Ciclo evolutivo do mosquito

ciclo evolutivo do mosquito

A. aegypti Os ovos são distribuídos

Uma fêmea do A. aegypti pode dar origem a 1.500 mosquitos durante sua vida. Os ovos são distribuídos por diversos criadouros, estratégia que garante a dispersão e preservação da espécie. Na imagem, o A. aegypti em fase de pupa.

Combate e Controle

  • Inspeção é o primeiro passo, nesta deve-se avaliar o grau, tipo e local de infestação.
  • Após a inspeção, começar a aplicação pela pulverização com a atomizadora a gasolina tanto na parte interna como na parte externa. Essa aplicação visa atingir partes que a pulverização normal não atinge.
  • Aplicação de larvicida em pontos de infestação, tais como: vasos de planta, pneus, plantas, latões, etc.
  • As aplicações só poderão ser executadas ao amanhecer ou no final da tarde, devido ao período de atividade dos mosquitos.
  • É importante ressaltar que o ciclo de vida dos voadores é muito rápido e externo (poças de água, cisternas, vasos, pneus, etc.), por tanto o controle é mais difícil.

Moscas

A mosca doméstica tem cerca de 7 a 9 mm de comprimento, apresenta cor acinzentada não metálica e 4 faixas escuras longitudinais no tórax e abdômen desenhado por manchas características.

O aparelho bucal da mosca é do tipo lambedor-sugador e tem um par de palpos labiais, seus olhos compostos (4.000 facetas hexagonais) ocupam a maior parte da cabeça, sendo internamente afastados entre si nas fêmeas e internamente próximos nos machos.

Vale ressaltar que a visão da mosca é abrangente, mas não nítida. A imagem é percebida como um complexo mosaico.

As moscas fêmeas adultas são fecundadas pelos machos um ou dois dias após o seu nascimento. No dia seguinte à cópula, desovam em matéria orgânica em decomposição, quente e úmida e exposta à luz, cujos gases liberados apresentam um odor atrativo para as mesmas. São orientadas para o local de postura através dos órgãos olfativos situados nas antenas.